Cães invadem ambulância para acompanhar dono e fazem vigília na porta do Samu

Foto: Reprodução

Um socorro de rotina de uma das equipes do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), de Bauru (SP), revelou que a fidelidade dos animais de estimação a seus donos não possui limites.  O catador de recicláveis José Antônio Pereira, de 47 anos, vítima de convulsões, só pôde ser levado à unidade de saúde depois que as duas socorristas que participaram do atendimento “permitiram” que os dois cães do homem o acompanhassem dentro da ambulância.

Segundo Patrícia Iolanda Antunes, enfermeira-chefe do Samu em Bauru, a aventura de sua equipe começou no início da tarde desta segunda-feira (1º) no atendimento a um caso de paciente convulsionando no bairro Jardim Ivone. Na chegada ao local, a motorista Josyane Plana e a técnica de enfermagem Maria de Lourdes Pereira encontraram o catador ainda caído no chão e um pouco confuso, mas não conseguiram chegar perto do paciente porque seus cães avançavam em quem se aproximasse do homem. Elas conseguiram conversar com o catador, que informou o nome de seus cães: Bob e Chiara. As socorristas conseguiram acalmar os animais os chamando pelos nomes e colocaram o homem na maca. Mas ao colocar o paciente na viatura, os dois cães entraram e ficaram ao lado do dono. “As socorristas me chamaram no nosso grupo interno, mandaram a foto dos cães dentro da viatura, e disseram que, ‘se alguém reclamasse’, elas não tiveram outra alternativa a não ser transportar os animais junto ao paciente. Elas justificaram ainda que, se não fosse assim, os cães poderiam correr atrás da ambulância e serem atropelados”, explicou a enfermeira-chefe do Samu ao G1.

Na sequência, a equipe do Samu ligou para o médico-regulador do serviço para justificar a decisão e as socorristas disseram que os animais não abandonariam o homem. O médico aprovou a decisão da dupla. Mas a saga de fidelidade demonstrada pelos cães não terminou no desembarque do paciente na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do bairro Mary Dota, para onde o homem foi levado. Como o catador de recicláveis precisou passar a noite em observação, Bob e Chiara deitaram-se na porta da sala de emergência da UPA e passaram a madrugada à espera do dono. Na manhã desta terça-feira (2), José Antônio teve alta, pôde reencontrar seus amigos fiéis e voltar para casa.

Fonte: G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.