noticias Por 9 votos a 2, Supremo não reconhece ensino...

Por 9 votos a 2, Supremo não reconhece ensino domiciliar

-

- Advertisment -

Brasília – Alunos da rede pública de ensino do DF realizam atividades de educação ambiental na Escola da Natureza.( Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Por 9 votos a 2, os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiram nesta quarta-feira (12) não reconhecer o ensino domiciliar de crianças, conhecido como homeschooling. Conforme o entendimento da maioria, a Constituição prevê apenas o modelo de ensino público ou privado, cuja matricula é obrigatória, e não há lei que autorize a medida.

O julgamento começou na semana passada, quando o relator do caso, ministro Luís Roberto Barroso, votou a favor do ensino domiciliar. Para ele, alguns pais preferem comandar a educação de seus filhos diante das políticas públicas ineficazes na área de educação, dos resultados na qualidade no sistema de avaliação básica, além de convicções religiosas.

Barroso também citou que o modelo de homeschooling está presente nos Estados Unidos, Finlândia e Bélgica, entre outros países. “Sou mais favorável à autonomia e emancipação das pessoas do que ao paternalismo e às intervenções do Estado, salvo onde eu considero essa intervenção indispensável”, argumentou.

Votos divergentes

Na sessão de hoje, o julgamento foi concluído com os votos dos demais ministros. Primeiro a votar, Alexandre de Moraes abriu a divergência e entendeu que o ensino domiciliar não está previsto na legislação: “O ensino familiar exige o cumprimento de todos os requisitos constitucionais. Não é vedado o ensino em casa desde que respeite todos os preceitos constitucionais. Há necessidade de legislação”.

O ministro Ricardo Lewandowski também entendeu que não é possível que os pais deixem de matricular os filhos nas escolas tradicionais. Segundo ele, “razões religiosas não merecem ser aceitas” pelo Judiciário para que os pais possam educar os filhos em casa. O ministro argumentou que os pais “não podem privar os filhos de ter acesso ao conhecimento” na escola tradicional.

“Não há razão para tirar das escolas oficiais, públicas ou privadas, em decorrência da insatisfação de alguns com a qualidade do ensino”, afirmou Lewandowski.

Os ministros Alexandre de Moraes, Rosa Weber, Luiz Fux, Gilmar Mendes, Marco Aurélio e a presidente, Cármen Lúcia, também votaram no mesmo sentido. Fachin acompanhou em parte o relator.

Últimas Notícias

Homem morre após cair de pá carregadeira e ser atropelado pelo veículo na zona rural de Caetité

Um homem, identificado como Jorge Joaquim Farias, 48 anos, morreu após ser atropelado por uma pá carregadeira, na tarde...

CASO HIAGO | Familiares e policiais contestam nova versão apresentada pelos assassinos do jovem guanambiense

A divulgação de trechos dos depoimentos dos dois envolvidos na morte do guanambiense - Hiago Evangelista Freitas, de 24...

Mulher que teve corpo queimado pelo próprio tio em Livramento, não resiste e morre no HGE, em Salvador

Morreu na manhã desta quarta-feira (13), no Hospital Geral do Estado (HGE) em Salvador, a jovem, identificada como Ângela...

Palmas de Monte Alto: Caminhão carregado com banana tomba após motorista estacioná-lo às margens da BR-030

Na noite desta terça-feira (12), um caminhão, modelo Ford Cargo, placa KJK 7177, licença de Cruz das Almas (BA), ...

Gabaritos oficiais do Enem 2019 já estão disponíveis na internet

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) divulgou na tarde desta quarta-feira (13) os gabaritos oficiais do...

Jovem de Matina morre após ser atingido por manilha de concreto em obra no estado de SP

Um jovem de 19 anos, identificado como José Ivo Rodrigues da Silva, natural de Matina(BA), morreu após ser atingido...

Mais Lidas

- Advertisement -

Portal Vilson NunesÚltimas Notícias
O portal de notícias com a marca da verdade